Ludera

Como cumprir promessas de ano novo?

Como cumprir promessas de ano novo?

Mais um ano termina e começa outra vez, e como de costume nos deparamos com as famosas promessas de fim de ano.

Quem nunca falou para si mesmo:

  • “Esse ano vou emagrecer!”;
  • “Nesse ano vou começar a juntar dinheiro”;
  • “Esse ano eu paro de fumar!”

E então fazemos planos e mais planos, traçamos metas, e somos tomados por uma empolgação, e o sentimento do “Eu posso! Eu consigo!”.

Mas todos nós sabemos que a maioria dessas promessas não chega nem a ir pro papel. Nessa postagem, falamos sobre isso, como cumprir e manter suas promessas.

Deixar de cumprir as promessas de fim de ano é mais comum do que imagina, você não está sozinho!

Se você se sente triste por não conseguir cumprir todas as suas promessas de fim de ano, pare. Mesmo.  Pesquisas mostram que muitas outras pessoas passam por isso:

  • Metade dos entrevistados fez alguma promessa de ano novo;
  • 52% fizeram uma promessa, enquanto 27% fez duas e 17% três ou quatro;
  • Quase 50% dos que fizeram promessas, as quebraram;
  • 31% já quebrou a promessa logo em janeiro;
  • 76% dos que passaram de janeiro conduziram a promessa para além daquele ano (2012).

Além disso, há vários tipos de promessas, mas algumas são mais comuns que outras:

Classificação Resoluções Proporção
1 Perder peso / comer mais saudável 21,4%
2 Vida / Auto aperfeiçoamento 12,3%
3 Melhores decisões financeiras 8,5%
4 Parar de fumar 7,1%
5 Faça coisas mais emocionantes 6,3%
6 Gaste mais tempo com a família / amigos próximos 6,2%
7 Trabalhar com mais frequência 5,5%
8 Aprenda algo novo sozinho 5,3%
9 Faça mais boas ações para os outros 5,2%
10 Encontre o amor da minha vida 4.3
11 Encontre um trabalho melhor 4,1%
Outros 13,8%

 

É bem provável que alguma promessa que eu ou você tenhamos feito, esteja nessa lista. Mas para torna-la realidade é preciso identificar possíveis sabotadores e saber como enfrenta-los. São muitas as armadilhas da mente que podem nos prejudicar e dar fim às nossas metas logo no início do ano.

Porque é tão difícil?

Realmente não é uma tarefa fácil, isso porque grande parte do processo está na mudança de hábitos, e mudar não é algo simples. Para que entenda melhor, vamos analisar juntos o que é “hábito”.

Hábito

substantivo masculino

  1. maneira usual de ser, fazer, sentir; costume, regra, modo.

“h. burgueses”

  1. maneira permanente ou frequente de comportar-se; mania.

“abandonar velhos h.”

Pense na sua pior mania. Desde quando você tem ela? Talvez “desde sempre”, mas nós não começamos a praticar uma mania de uma hora pra outra. Por mais intuitivo que possa ser, ela surgiu aos poucos e também aos poucos nós as incorporamos ao nosso dia a dia. E se você passou anos, dia após dia, fazendo a mesma coisa, não será em um estalar de dedos que conseguirá agir de forma diferente.

Então seja paciente consigo mesmo. A onda do ano novo, da propaganda e da nossa cultura nos estimula a exigir algo de nós que vai muito além da nossa real capacidade no momento, e, quando não conseguimos realizar o que nos foi proposto, desistimos por julgar ser impossível.

E, de uma hora pra outra, estamos num pântano do marasmo. Mas a ironia é que, na verdade, somos perfeitamente capazes de mudar.

O segredo está em planejar a mudança de uma forma diferente, inteligente, realista e de acordo com o seu atual momento na vida.

Ao querer mudar, você já começou a mudar

Pode parecer infantil ou meio “auto-ajuda”, mas essa afirmação não é só realidade: ela é parte de um método de mudança de comportamento bastante famoso e elaborado a partir de diversos estudos e análises de casos de sucesso e fracasso.

Mesmo que um hábito seja cientificamente comprovado como prejudicial e causador de problemas graves que pode até mesmo comprometer a vida de alguém, algumas pessoas podem não vê-lo dessa forma. Para esses o hábito pode ser, antes de ser um problema, ser algo inofensivo, prazeroso ou adequado. Nesse caso, o indivíduo diz saber que é um problema, que “inclusive já fez um plano”… mas no fundo, ele não se deu conta da necessidade de mudança. E não estamos julgando ninguém aqui: a mudança da forma de pensar é um grande passo a ser dado, que pode exigir leitura, diálogo, convivência… para uma boa parcela da sociedade, não é algo tão simples como é para outras.

Mas se você já energia que precisa mudar de hábito e se propôs a mudar, comemore: você já deu um grande passo. Está no caminho. Mantenha esse “mindset” e continue avançando.

A mudança de hábito

Para cada hábito é necessária uma estratégia diferente, mas algo que é comum a muitos deles é:

  • Entender que ele é prejudicial e que precisa ser mudado ou abandonado;
  • Identificar o gatilho do hábito (o que faz com que você o pratique);
  • Escolher um outro hábito (saudável) que realmente te faça sentir bem e que seja facilmente praticável dentro da sua rotina;
  • Mudar a forma como você vê as recaídas (elas são previsíveis e te permitem enxergar melhor o que é necessário para seguir em frente);
  • Definir um prazo para fazer a troca (do hábito prejudicial pelo hábito saudável) e começar a fazê-la;

Por exemplo: roer a unha. Se você leva a mão à boca automaticamente quando liga a televisão, faça outra coisa com esse estímulo até criar um novo hábito, como alongar seus braços, costas e pescoço. Se o seu caso é parar de fumar e você sente vontade depois do almoço, que tal trocar o cigarro por um copo com água, ler uma notícia sobre um assunto que você goste, ou até mesmo uma pequena caminhada?

O segredo é construir uma rotina para criar os novos hábitos que deseja. Veja agora algumas dicas que podem te ajudar:

Estipule metas simples e alcançáveis, mesmo que pareçam simples

Não dê o passo maior que sua perna. É importante reconhecer o que você é capaz de fazer a curto prazo, encare a sua realidade. Com o tempo o que antes era muito difícil passará a ser algo automático. Você fará sem sequer perceber e assim poderá traçar novas metas.

Estipule metas que tenham a ver com você. Não pense em mudanças radicais

Essa dica tem muito a ver com a outra, não se compare com ninguém, não espere conseguir fazer o que o outro conseguiu, pois, as chances de se frustrar são grandes. E não ache que conseguirá fazer isso do dia para a noite. Mudanças radicais, tem a grande probabilidade de não se tornarem hábitos. Tem de ser algo gradativo para ser contínuo.

Junte-se a um amigo ou a um grupo com metas parecidas com a sua

Ter companhia vai te ajudar a dar aquele gás para alcançar seus objetivos, encontrará apoio caso tenha recaídas e a troca de informações tornará mais fácil o processo. Ter pessoas ao seu redor que querem o seu bem e também estão na mesma direção que você fará toda a diferença.

O erro é o caminho para o acerto: se quebrou, retome logo em seguida

Pense que repetir os passos que você já deu fará com que você passe por eles mais fácil e rapidamente. O truque da repetição é que ela dá uma nova rota ao cérebro. Ele pode até voltar à antiga no começo, mas com repetições ele acaba aprendendo a nova. Manter frequência é a chave para acabar com as recaídas. Pensar em desistir é normal, mas desistir é, em si, jogar todo esse tempo no lixo e você não vai fazer isso.

Anote seu progresso de esforço (não de resultados) e se concentre nele

Esqueça o quanto falta e olhe o quanto você já percorreu. Se sua meta é perder 10 quilos, e você perdeu 3 até agora, não pense: “Puxa, só 3?”, e sim: “Já perdi 3 quilos! Estou cada dia mais perto do meu objetivo. Tá dando certo!”. Isso irá te motivar a continuar com alegria e sem frustrações.

Comemore seu progresso

Sim, vibre (e muito) com seu progresso. Só você sabe o esforço que fez para conseguir, e se tem alguém nesse mundo que merece é você. Isso é um combustível e tanto para continuar firme, sem contar que a sensação de dever cumprido é maravilhosa, não é?


Se você quiser entender mais a fundo como funciona o método de mudança de comportamento do qual falamos acima, recomendamos que você leia a nossa série CORE: Conectando objetivos.

E se você é um líder ou gestor, nós temos um material específico (e grátis) para mudança de comportamento de colaboradores aqui.

Na semana que vem, vamos olhar de perto as promessas de ano novo de atividade física: quais são as mais comuns? Onde o as coisas dão errado? O que fazem de diferente aqueles que conseguem? Até lá!

Sem tempo de ler? Confira o conteúdo de toda a série em nosso podcast!

 

Deixe uma resposta

Fechar Menu